sábado, 8 de novembro de 2008

Despedida




DESPEDIDA


Não me esperem para o jantar
Não me esperem nas esquinas
Não sejam bestas em me esperar
Sigam em frente


Escovem os pés penteiem os dentes
Façam a festa
Cantem dancem
e soltem todos os seus fantasmas
de mim
e velas não precisam acender

Digam apenas adeus
e me deixem em paz
que daqui não saio mais

-Afinal, este meu silêncio
não é convincente?

2 comentários:

Jana disse...

Este poderia ter sido escrito por mim.
Tem horas que sinto exatamente assim.

Abraços
:)

Coluna do Domingos disse...

Despedida do grande escritor e poeta Hideraldo Montenegro é na verdade um grande encontro, o encontro entre a arte de fazer poesia e o encanto de poder cantar e decantar os desafios da existência do homem no espaço tempo. Praza Deus tenha, quem sabe ? as minhas humildes poesias comentadas pelo mestre da arte do fazer poético.
Luiz Domingos de Luna, Buscar na web